escort ankara bayan escort bayan ankara escort bayan bayan escort ankara escort bayan ankara

O crente e o dia do trabalho
 

  • Full Screen
  • Wide Screen
  • Narrow Screen
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

O crente e o dia do trabalho

 

 

Pr. Luciano Alves Silva

Na última sexta-feira, 1º de Maio, foi celebrado o "Dia do Trabalho". Historicamente, a partir de uma manifestação organizada por trabalhadores por melhorias nas condições do trabalho e redução da carga horária, que ocorreu em 1º de Maio de 1886 em Chicago, nos EUA, após muitas lutas e represálias, os direitos dos trabalhadores foram sendo conquistados e a data se consolidou como o símbolo dessas conquistas, sendo batizada como Dia do Trabalhador ou Dia do Trabalho. Aqui no Brasil a data é comemorada desde 1924, então sob o governo de Artur Bernardes.

Sobre o trabalho, olhando para as páginas da Bíblia, podemos observar casos interessantes de gente que foi chamada por Deus quando estavam em plena atividade profissional. Por exemplo, no Velho Testamento, a começar com o próprio Deus vemos que, trabalhando durante seis dias, fez todo o universo e o colocou para funcionar, e continua trabalhando. Jesus disse: meu pai trabalha até hoje (João 5.17). Temos ainda os exemplos de homens como Gideão que debulhava o trigo; Jefté que era um guerreiro; Neemias que era o copeiro do rei; Moisés, Davi e Amós que criavam e pastoreavam ovelhas; José que administrava os tesouros do Egito e com isso preservou a vida do seu povo.

E, olhando para as páginas do NT, percebemos gente que foi sendo chamada por Deus através do ministério de Jesus e que também estavam trabalhando: os pescadores Pedro, André, Tiago e João; o cobrador de impostos Mateus; o militante político da seita dos Zelotes, Simão; e ainda, o religioso membro do sinédrio, Paulo de Tarso que, em plena atividade religiosa de perseguição aos "hereges", e um histórico acadêmico e de prestação de serviços invejável, levando consigo cartas para prender e até matar aos da nova seita, foi chamado por Jesus e caiu da montaria tornando-se depois, o apóstolo aos gentios.

Enfim, esses poucos exemplos ilustram, em alguma medida, que o engajamento no Reino de Deus não é apenas para os desocupados, ou os que se ocupam exclusivamente com as atividades religiosas. Não! Deus chama também os ocupados com atividades seculares. Aliás, na expressiva maioria dos casos, as coisas acontecem na igreja mais a partir dos que estão envolvidos com outras atividades que não o ministério religioso. Assim, não há como "culpar" a falta de tempo, a inabilidade, a falta de recursos, pois, todos os que quiserem, sempre encontrarão espaço para se envolver e engajar com as atividades e ministérios presentes na igreja; aliás, o dono da obra disse: "Vocês não me escolheram, mas eu os escolhi para irem e darem fruto, fruto que permaneça". (João 15.16)

Você está aqui: Devocionais Pr. Luciano Alves O crente e o dia do trabalho